MOACIR

Moacir Dos Santos é um talentoso cantor, compositor e dançarino de carnaval mas nunca teve a possibilidade de demonstrar esse talento. É, segundo suas próprias palavras, “brasileiro e argentino”, já que chegou ao país há trinta anos. Agora, com 68 (dez deles internado no hospital neuropsiquiátrico Borda), Moacir tem um sonho: poder gravar um disco com as canções próprias que registrou quando veio à Argentina e que se encontravam perdidas.

O documentarista Tomás Lipgot volta a retratar Moacir, já não mais em sua fase de internação como foi no documentário Fortalezas; mas tentando dar sentido ao “poder curador da música” e aventurando um futuro para seu personagem.

No caminho, decide cruzar o caminho de Moacir com o do músico Sergio Pángaro, que aparece como produtor do sonho de Moacir. Entre eles, se constrói um contraponto, um dueto de mestres tão profissional como hilariante.

Moacir, o filme, é um relato do percurso apaixonado de um homem que se bate entre os fantasmas da marginalização e da loucura para fazer escutarem sua voz.

Ver o trailer e o filme completo aqui:

FICHA TÉCNICA

Produção e Direção: Tomás Lipgot.
Direção de produção: Nadia Martínez
Roteiro: Javier Zevallos com ideia original de Tomás Lipgot
Som: Natalia Toussaint
Fotografía: Víctor Narváez e Tomás Lipgot
Montagem: Javier Zevallos e Bruno López
Som direto: Rufino Basavibaso e Fernando Ribero.
Videoclip: Gabriel Grieco
Música Original: Moacir dos Santos, arranjada por Sergio Pángaro e Interpretada pelo grupo “La lija”

Produzido por Duermevela com apoio do Instituto Nacional de Cine y Artes Audiovisuales (INCAA), la Fundación Universidad del Cine (FUC) e da Embaixada de Brasil.

Distribuição: RUMBA CINE

Ano: 2011
 Duração: 73 min
Qualificação: ATP
Formato: Video HD

Festivais

  • BAFICI 2011, Buenos Aires
  • CINESUL 2011, Rio de Janeiro
  • SANFIC 2011, Santiago de Chile
  • MUESTRA DE CINE ARGENTINO, Leipzig, Alemania, COMPETENCIA OFICIAL
  • FESTIVAL DE CINE UNDERGROUND, Buenos Aires.
  • FESTIVAL DE CINE DEL CONURBANO, Buenos Aires, COMPETENCIA OFICIAL
  • FESTIVAL DE CINE DE FAVELA, San Pablo, Brasil.
  • FORUMDOC 2011, Belo Horizonte, Brasil, COMPETENCIA OFICIAL
  • FESTIVAL DE CINE LATINOAMERICANO DE FLANDES 2011, Bélgica- COMPETENCIA OFICIAL
  • FESTIVAL CINE B, Santiago de Chile, 2011
  • FESTIVAL DEL NUEVO CINE LATINOAMERICANO, La Habana, Cuba- COMPETENCIA OFICIAL
  • FESTIVAL DE ENCUENTROS CON EL CINE LATINOAMERICANO, Pessac, Francia- COMPETENCIA OFICIAL. PREMIO AL MEJOR DOCUMENTAL INDEPENDIENTE AUTOPRODUCIDO.
  • FESTIVAL DE CINE IBEROAMERICANO, Lyon, Francia
  • FESTIVAL DE CINE SOCIAL, Concordia, Argentina- COMPETENCIA OFICIAL. MENCIÓN ESPECIAL DEL JURADO “AL PERSONAJE PRINCIPAL DEL DOCUMENTAL “MOACIR DOS SANTOS”
  • FESTIVAL LUME FILMS, Sao Luis, Brasil 2012, COMPETENCIA OFICIAL
  • MARFICI, FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINE INDEPENDIENTE DE MAR DEL PLATA, 2012
  • CULTURE UNPLUGGED, ONLINE FESTIVAL
  • FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINE DE VILLA DE LEYVA, Colombia, SELECCIÓN OFICIAL DE DOCUMENTALES
  • OAXACA FILM FESTIVAL, COMPETENCIA OFICIAL
  • FILMAR EN LATINOAMERICA, SUIZA.
  • 1 festival latinoamericano de Bahia Blanca, Competencia
  • 4 MENDOC, Competencia. Premio de la prensa
  • 5 Festival de Luanda, Angola, Competencia Oficial
  • Tenemos que ver
  • FAM Panavision
  • Festival Brasilero en Canada
  • CaracasDoc 2013
  • 1era Semana de Cien Argentino en Amman, Jordania 2013
  • Internacional de Cinema e Saúde Mental, Faro, Portugal
  • 2 Festival de Cine de Castilla, Colombia- Competencia Internacional de Documentales
  • Festival “Contra el silencio, Todas las Voces”, Mexico DF 2014, selección oficial.
  • Festicine Pehuajó 2015

Nota do diretor

A historia de Moacir é incrível. O mínimo que merece é um filme.

Brasileiro, cidadão argentino desde 1984, Moacir é possuidor de um talento nato para cantar e transmitir emoção.

Emigrou para a Argentina com um sonho: deixar para trás a pobreza para desenvolver sua carreira musical.

No mesmo ano em que chegou, registrou no SADAIC 12 canções de sua autoria. Porém não pode fazer muito à respeito: a pobreza e seus problemas de saúde mental impediram que seu sonho tivesse ponto de partida.

Vinte e sete anos depois, suas canções foram resgatadas para este filme. Entre elas se encontram tangos, sambas, marchas de carnaval e boleros.

Quando conheci Moacir, ele se encontrava internado no hospital psiquiátrico e eu o elegi como um dos tantos personagens para meu documentário “Fortalezas”.

Foi nesse momento que entendi o que a música significava em sua vida, e o obvio que fazia com que, nesse contexto, eu não acreditasse quando mencionava ser autor de temas musicais registrados. Também percebi que, apesar dos anos terem passado, seu desejo se mantia intacto.

Decidi ajudá-lo. Uns meses depois de terminadas as filmagens, com suas partituras em meu poder, quis fazer-lhe uma surpresa… E fui eu o surpreendido! Moacir, aos seus 65 anos, havia tido alta médica e sua externação. Da sua própria maneira, conseguiu um subsidio habitacional e estava vivendo sozinho em uma pensão no bairro cosmopolita de Constitución.

Desde nosso reencontro, fizemos um trato: ele gravava o disco e eu filmava sua história.

O filme é sobre a aventura de Moacir em torno da gravação do disco, uma epopéia cheia de música, emoção, ternura, humor, lutas e encanto.

Enquanto luta contra os fantasmas da marginalização e da loucura.

Por Tomás Lipgot